Reaproveitar parte do material e pagar a conta de forma parcelada estão entre as preferências dos consumidores entrevistados

Por Gabriela da Cunha, Valor Investe — Rio

As principais redes estaduais de ensino já têm data para iniciar o calendário letivo 2022. Em São Paulo, o início das aulas está marcado para o dia 2 de fevereiro. Em Minas, será no dia 7. No estado do Rio, as aulas no modelo presencial e remoto começam no dia 21 de fevereiro. Apesar da proximidade, mais de 78% dos pais e responsáveis por crianças em idade escolar não compraram o material necessário, segundo levantamento do Instituto Reclame Aqui.

Na pesquisa feita entre os dias 10 a 12 de janeiro com mais de 13 mil pessoas, a maioria (68,2%), afirma que vai reaproveitar itens do ano passado. Na tentativa de economizar em relação à lista de materiais enviada pelas escolas, as crianças destas famílias provavelmente vão usar o mesmo estojo, réguas, lápis coloridos e canetas. A intenção de usar o mesmo uniforme foi indicada por 12% dos consumidores.

Para alcançar o objetivo e manter o controle financeiro, 44% dos consumidores também adotam a prática de usar a relação indicada pelos colégios apenas como uma "guia" sobre os itens necessários, mas optam por comprar as marcas e produtos que conseguem pagar. O percentual de responsáveis que compram somente o necessário também é alto, 33%.

De maneira geral, a disposição para os gastos é de até R$ 300, mas uma parcela significativa (27,5%) não terá condições de destinar mais de R$ 100 para esse compromisso de início de ano. Outro dado que chama atenção mostra que 47% de quem precisa ir às compras avalia que o peso da inflação vai gerar uma conta maior do que o valor desprendido em 2021. Livros didáticos e uniformes são os itens considerados de maior peso na conta.

Na hora de pagar a conta, metade dos respondentes pretende parcelar as compras.

Ensino remoto não alivia os gastos

A pandemia acabou provocando um processo de aceleração na digitalização de parte das escolas brasileiras, mas isso ainda não é uma realidade para todos. De acordo com o Instituto Reclame Aqui, as respostas foram bastante divididas quando os participantes responderam se esse cenário mais virtual das aulas diminuiu os gastos com material escolar: para 50,8%, houve redução de custos; já 49,2% disseram que não economizaram mais por conta disso.

Valor Investe

https://valorinveste.globo.com/objetivo/organize-as-contas/noticia/2022/01/13/quase-80percent-das-familias-ainda-nao-compraram-o-material-escolar-segundo-levantamento.ghtml