Primeira fase deixou lições e apontou riscos.  

 
Segundo a agência FSBinteligência, a tramitação da "reforma" da Previdência na CCJ deixou aprendizados a apontou riscos para o governo no longo debate que se seguirá na Câmara e no Senado. A dura obstrução para votar o relatório sobre a constitucionalidade do texto deixou como lição para o governo que a oposição não atuará sozinha para impedir a aprovação das novas regras para a aposentadoria.

Também ficou claro, de acordo com o texto, que o partido do presidente Jair Bolsonaro, o PSL, não tem coesão para receber missões como a relatoria de uma proposta dessa envergadura. Além disso, as últimas semanas mostram que as tentativas de articulação entre Executivo e Legislativo foram ineficazes para a etapa mais fácil da tramitação da "reforma", evidenciando a necessidade de maior empenho na conquista de aliados daqui para frente. 

As lideranças do governo no Congresso também falharam, principalmente pela inexperiência, mas tiveram uma curva de aprendizado que pode ajudar nas próximas etapas, diz a análise. A troca das peças, porém, talvez seja necessária para facilitar a construção de pontes.
Vermelho