Até eles, Brutus? A insatisfação com a articulação política do governo Jair Bolsonaro subiu de patamar no PSL, partido do presidente. Deputados foram avisados de que o líder da sigla na Câmara, Delegado Waldir (GO), vai reunir a bancada na quarta (27) para definir o que chama de nova postura em relação ao Planalto. Os parlamentares dizem que arcam com o desgaste de defender o governo, mas não recebem nada em troca –nem sequer prestígio. O recado é: ou Bolsonaro muda, ou eles tiram o corpo fora.

Na parede Após o encontro da bancada, o PSL vai pedir uma reunião com o próprio Bolsonaro. O objetivo é saber se a parceria é recíproca. “Não podemos assumir o papel de boi de piranha e de paredão de proteção do Planalto”, reclama um dos líderes da sigla.

Vou até lá A rebelião, no entanto, é contornável, avaliam parlamentares do partido. O PSL não vai se opor à pauta do governo no Congresso, mas pleiteia um canal de diálogo permanente com Bolsonaro.

Estamos aqui Uma ala defende, inclusive, que o presidente abra mais espaço para o PSL no governo. Esse grupo fala, por exemplo, que a deputada Bia Kicis (PSL-DF) tem todas as credenciais para assumir o Ministério da Educação.

Inabalável O Planalto sinaliza, porém, que Bolsonaro vai ignorar os pedidos de parlamentares e manter o discurso de que não negocia sob o que chama de velha política, mesmo que a reclamação venha de seu partido.

Conto com você Líderes partidários dizem que o acirramento da criseindica que o governo precisa escalar, o quanto antes, um bombeiro capaz de mudar a cabeça de Bolsonaro. Dizem que, hoje, só o general Augusto Heleno, do GSI, teria autoridade para influenciar o presidente.

Valor de mercado A crise política ampliou o interesse do empresariado no jantar com o vice-presidente Hamilton Mourão na casa do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, na terça (26). Gente que ficou de fora fez contatos no fim de semana para ser incluída. A lista de convidados soma R$ 1 trilhão de patrimônio.

Pop Mourão também vai à reunião da diretoria da Fiesp. O encontro se tornou o mais concorrido dos últimos tempos.

Ao vivo e a cores Técnicos da equipe econômica e das Forças Armadas devem gravar nesta semana um programa na TV Brasil, da EBC (Empresa Brasil de Comunicação), sobre a reforma da Previdência. A proposta de mudanças na aposentadoria dos militares também está no roteiro.

Recordar é viver A Frente Povo Sem Medo vai lançar nas redes sociais um filme de animação contra a reforma da Previdência de Bolsonaro, assim como fez em 2017 em reação à proposta de Michel Temer.

Com a palavra O vídeo terá a narração de Seu Jorge e vai atacar o tempo de contribuição, o BPC e a aposentadoria por invalidez. “Não importa em quem você votou nas últimas eleições. Se você é contra ou a favor de algum partido político. Essa reforma que querem votar em Brasília mexe com todos nós”, dirá o cantor.

Coadjuvantes As críticas à atuação da prole do presidente são quase generalizadas no Congresso e no Supremo. Em jantar com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), sem citar nomes, o presidente da corte, Dias Toffoli, chegou a dizer que “filhos devem agir como filhos” e só.

Em seu nome Doria chamou o deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) de “irresponsável” após ele ter se referido a Geraldo Alckmin como “assassino” na CCJ.

Alvo O IDP, instituto de ensino de Gilmar Mendes, do STF, enviou mensagem a alunos na sexta (21) informando instabilidade em seu sistema. A suspeita era de um ataque hacker.

Prontidão A OAB criou uma Procuradoria Nacional de Defesa do Consumidor para acompanhar eventuais danos à população causados pelas privatizações do governo. O advogado Walter Moura, do Idec, vai comandar o órgão.


TIROTEIO

O momento requer precaução e máxima sutileza dos Poderes na execução de suas atribuições. Cada um no seu quadrado

Do deputado Arthur Lira (AL), líder do PP na Câmara, ao presidente Jair Bolsonaro, após o acirramento do embate com Rodrigo Maia (DEM-RJ)

Folha de S.Paulo