Milhares de manifestantes saíram às ruas de várias cidades do país neste sábado (29) para protestar contra o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro. As manifestações foram convocadas por um amplo movimento que reúne entidades e ações nas redes sociais e prosseguem neste início de noite em vários estados.

 Largo da Batata, em São Paulo, reuniu mais de 150 mil pessoas Largo da Batata, em São Paulo, reuniu mais de 150 mil pessoas
Veja algumas atividades realizadas nos estados:

Acre
A manifestação aconteceu teve início às 16 horas a tarde no Canal da Maternidade, em frente ao Terminal Urbano de Rio Branco e reuniu cerca de 1000 pessoas.

Amapá

Em Macapá a manifestação foi às 16h na Praça Floriano Peixoto, no centro da cidade e reunião cerca de 2 mil pessoas.

Alagoas

A manifestação reuniu milhares de pessoas na orla da Ponta Verde, em Maceió. Manifestantes independentes e integrantes de movimentos sociais, sindicais e políticos com faixas e cartazes iniciaram uma caminhada às 16h, da Praça Gogó da Ema, em frente ao antigo Alagoinha, até o Posto 7, na Jatiúca. A organização do movimento diz que 3 mil pessoas participam do ato.

Bahia

Manifestantes tomaram as ruas do centro e da orla de Salvador para se manifestar contra o candidato. Por volta das 14h30, a cantora Daniela Mercury iniciou uma apresentação especial para a manifestação. Ao lado de sua companheira Malu Verçosa, Daniela falou contra Bolsonaro e puxou o coro de "ele não" da multidão. "Queremos qualquer candidato que nos respeite, mas ele não", falou. "Nos respeite. Essa cidade é dos pretos, das mulheres, dos gays, pela democracia e pelo amor". Até o Farol da Barra, um dos principais pontos turísticos da capital baiana, onde a manifestação se dispersou, a cantora Maria Gadu também cantou de cima do trio elétrico. 

Ceará

As manifestações dos cearenses começaram cedo em Sobral, cidade situada na zona norte do estado. Pelo menos mil pessoas participaram da manifestação na Praça de Cuba. Com uma presença expressiva de jovens mulheres, os manifestantes ocuparam parte da área central da cidade ao longo da manhã. Em Fortaleza, as pessoas começaram a se concentrar por volta das 15h e saíram em caminhada às 16h30 na direção da Praia de Iracema. Estima-se que pelo menos 10 mil pessoas estão na manifestação. O ato em Juazeiro do Norte, no Cariri cearense, ocorreu durante a tarde na Praça do Giradouro, que dá acesso a outras duas importantes cidades do Sul do Ceará, Crato e Barbalha. Os organizadores estimaram presença de 3 mil pessoas. 

Espírito Santo

A concentração dos manifestantes começou às 14h, na Praça do Papa, em Vitória. A manifestação saiu em passeata até a Praça dos Desejos, onde devem reunir cerca de 5 mil pessoas.

Maranhão

Mais de 15 mil pessoas participaram da manifestação em São Luis e seguiram em marcha e com palavras de ordem como “Ele Não” e “Bolsonaro Fascista”. “Estamos em um grande ato, lutando pelo amor, pela democracia, contra o fascismo. Seremos nós que vamos aposentar ele das urnas”, afirmou Thays Campos, presidenta da União Brasileira de Mulheres no Maranhão (UBM-MA).

Mato Grosso

Em Cuiabá, a manifestação foi na Praça Ulisses Guimarães, na Avenida Historiador Rubens de Mendonça (CPA) e reuniu mais de mil participantes. Pessoas independentes e integrantes de movimentos sociais, sindicais e políticos com faixas e cartazes se reuniram às 16h. Mesmo com chuva forte, o grupo permaneceu no local.
.
Mato Grosso do Sul

Em Campo Grande, a manifestação ocorreu na Praça Cuiabá, no Centro da cidade e reuniu cerca de 3 mil pessoas tenham participado do ato. Já em Dourados cerca de duas mil manifestantes se reuniram na Praça Antonio João, no centro da cidade.

Minas Gerais

Em Belo Horizonte, a manifestação ocorre na Praça Sete, no centro da cidade e começou por volta das 14h. Com direito a trio elétrico, o clima do protesto foi de carnaval. As canções tinham palavras de ordem contra o Bolsonaro. "Nem fraquejada, nem do lar, a mulherada tá na rua pra lutar", dizia uma das músicas. Os gritos de "ele não" também eram entoados com frequência. Em Juiz de Fora os manifestantes se concentraram no Parque Halfeld, no Centro, desde as 11h. Depois, seguiram por diversas ruas do Centro da cidade e foram para a Praça Antônio Carlos. A organização estima que 30 mil pessoas participaram.

Paraná

Em Curitiba, o ato começou por volta de 16h, com grande concentração na Boca Maldita, tradicional local de manifestações políticas no centro da cidade. O público, majoritariamente feminino, preencheu ao menos quatro quadras do calçadão da Rua XV de Novembro. Com cartazes e gritando "ele não", os manifestantes fazem uma caminhada até o prédio histórico na Universidade Federal do Paraná (UFPR). 

A cozinheira Carolina Almeida foi até a manifestação em Curitiba acompanhada do marido. "É um movimento justo e válido, a gente tem que se levantar, sim, não pode deixar alguém opressor dizer que a gente não é tão digno quanto ele", declarou. 

Pará

Em Belém a concentração reuniu cerca de 15 mil pessoas no Mercado de São Brás e depois uma caminhada foi até a Aldeia de Cultura Amazônica Davi Miguel, no bairro da Pedreira. Em Marabá a manifestação reuniu mil pessoas na Praça da Prefeitura e seguiu em caminhada até o Shopping Pátio Marabá. Abaetetuba também reuniu mil pessoas na Praça do Barco. Também ocorreram manifestações em Itaituba, Santarém e Tucuruí.

Paraíba

Em João Pessoa, a manifestação mobilizou 20 mil pessoas que se reuniram na Praça da Paz, no bairro dos Bancários. Outras cidades paraibanas, como Campina Grande e patos também realizaram atos contra Bolsonaro.

Pernambuco

No Recife a concentração na Praça do Derby, no Centro da capital, começou às 14h. A passeata contra Bolsonaro teve início às 16h. A estimativa dos manifestantes é de 15 mil pessoas, segundo a organização do evento. Em Caruaru os manifestantes se reuniram a partir das 14h, na frente do INSS e saíram em caminhada pela área central da cidade.

Piauí

Na Praça da Liberdade, no centro de Teresina, mais de 5 mil pessoas se concentraram e depois saíram em caminhada pela Avenida Frei Serafim até a praça Francisco das Chagas Júnior. De acordo com a organização, 5 mil pessoas acompanharam a passeata. A manifestação encerrou às 19h, seguida de apresentações de artistas locais.

Rio de Janeiro

O ato "Mulheres Contra Bolsonaro" reuniu mais de 200 mil pessoas no Rio de Janeiro, neste sábado (29). O público esperado - 40 mil confirmações no evento no Facebook - superou as expectativas dos coletivos de mulheres que organizaram o ato.

Ao longo da marcha, que saiu da Cinelândia, no centro da capital fluminense, em direção à Praça XV, milhares de pessoas gritavam palavras de ordem contra o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro.

"#EleNão porque sou contra o fascismo, a favor que as mulheres adquiram seus direitos e que eles não sejam subtraídos. Acredito em um país com liberdade em que a gente não precise combater retrocessos", disse a Rosalina Barros, bibliotecária da Uerj.

"Sou a favor da diversidade, do respeito às etnias, a favor do desarmamento e não sou a favor da violência. Jamais passaria perto de alguém que de alguma maneira achasse justificável a tortura. É uma questão de sanidade mental a gente eliminar esse risco que ele significa", afirmou o ator.
Na chegada ao local final do ato, na Praça XV, um palco foi montado para que diversos coletivos femininos fizessem apresentações musicais e recitassem poesias. Entre as artistas musicais, estiveram Liniker e Lan Lan.

“É uma reação do povo, é uma tomada de consciência, não é possível esse retrocesso”, disse a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ), em transmissão no Facebook, durante caminhada para a Cinelândia. “Esse retrocesso ninguém mais quer, mesmo que o Rio de Janeiro seja o berço dessa representação desse candidato fascista (...), eu tenho convicção que o Brasil dará essa resposta no dia 7 de outubro”.

Rio Grande do Norte

O protesto começou por volta das 15h no cruzamento das avenidas Bernardo Vieira e Salgado Filho. O manifestação terminou por volta das 18h com mais de 10 mil pessoas. Em Mossoró e outras cidades potiguares também houve manifestações contra Bolsonaro.

Rio Grande do Sul

Em Porto Alegre, a manifestação #EleNão ocorreu no Parque da Redenção e reúne milhares de pessoas. De um trio elétrico, a organização, formada por mulheres, entoava gritos e cânticos contra o candidato. "Ele não", "ele nunca" e "coiso" foram as expressões mais usadas pelos manifestantes durante o ato. Além das mulheres, que eram a maioria do público, homens, idosos e crianças participaram. Outras cidades como, Passo Fundo, Pelotas, Santa Maria, Uruguaiana e Caxias do Sul também realizaram atos.

Rondônia

O movimento #EleNão reuniu cerca de 500 manifestantes estão concentrados no Espaço Alternativo, local destinado a atividades físicas. 

Roraima

Boa Vista reuniu cerca de 500 manifestantes com apresentações culturais e elaboração de cartazes. 

Santa Catarina

Em Florianópolis, a concentração começou às 13h em frente à Catedral Metropolitana, no coração do centro histórico da cidade e seguiu com uma caminhada na Avenida Beira-Mar Norte. Manifestantes pintaram seus rostos e corpos, entoaram cartazes e cantaram gritos de guerra. Cerca de 20 mil pessoas participaram do protesto contra Bolsonaro. 

O evento teve participação de diversos grupos partidários. Os principais eram os apoiadores de Haddad, Ciro Gomes e Marina. O assassinato da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) também foi lembrado em cartazes e camisetas. Houve ainda atos em Chapecó, Criciúma e Balneário Camboriú. 

São Paulo


Em São Paulo, a concentração teve início por volta das 15 horas, no Largo da Batata, na Zona Oeste, no ato "Mulheres contra Bolsonaro". O evento foi convocado por um conjunto amplo de entidades e organizações da sociedade, partidos políticos e coletivos de mulheres. “Não quero um presidente fascista, de extrema-direita e completamente ignorante. Um Trump piorado, que prega violência e se vale de um discurso sem profundidade e preconceituoso. Estou aqui porque o mundo é para todos”, disse à Reuters a cineasta Ana Poeta na capital paulista. Por volta das 17 horas a manifestação seguiu até a Avenida Paulista com quase 200 mil pessoas.

Em Santos a manifestação foi na Praça Independência e reuniu cerca de 3 mil pessoas. Araraquara reuniu cerca de duas mil pessoas que percorreram as ruas São Bento, Portugal e Nove de Julho terminando na Praça Santa Cruz. Mais de duas mil pessoas se manifestaram em Mogi das Cruzes. Em Ribeirão Preto, o protesto reuniu cerca de 3 mil pessoas, na Esplanada do Theatro Pedro II, no centro da cidade. Bauru, Ibitinga, Jundiaí, Ourinhos, Lenções Paulista, São José do Rio Preto, Sorocaba, Tatuí , Marília, Pindamonhangaba, Limeira, Rio Claro e várias outras cidades paulistas também realizaram manifestações.

Sergipe

Em Aracaju, mais de cinco mil pessoas participaram da manifestação realizada na na Avenida Adélia Franco, no bairro Jardins




 Do Portal Vermelho, com informações de agências