Paulo Dantas, deputado estadual do MDB/AL, foi eleito governador-tampão por 21 dos 27 votos possíveis. Foi uma derrota significativa para o grupo bolsonarista e uma vitória da frente ampla que se forma em torno da candidatura de Lula à presidência.

por Enio Lins

Lula, Paulo Dantas e Renan Filho. Foto: Márcio Ferreira

Em disputa alagoana, o grupo do presidente da República sofreu mais uma derrota impactante no domingo, 15 de maio. O engajamento aberto do presidente da Câmara, deputado Arthur Lira, não conseguiu reverter o quadro desfavorável na Assembleia Legislativa de Alagoas.

Paulo Dantas, deputado estadual do MDB/AL, foi eleito como governador-tampão por 21 dos 27 votos possíveis. A eleição, indireta, segue os preceitos constitucionais para a vacância no Poder Executivo. O governador de Alagoas, Renan Filho (MDB/AL), renunciou no dia 2 de abril para concorrer ao Senado em outubro deste ano, e o vice-governador eleito em 2018, Luciano Barbosa (MDB/AL) havia renunciado ao posto em 2020 para concorrer à prefeitura da maior cidade interiorana alagoana, Arapiraca.

Foto: Márcio Ferreira

A engenharia política para ampliar a frente partidária e garantir a continuidade do grupo progressista no Executivo alagoano não foi simples, pois o grupo bolsonarista, liderado por Arthur Lira (PP/AL) jogou pesado desde 2020 para tentar ocupar esse espaço.

Leia também: Com vantagem sólida, Lula segue líder em nova pesquisa XP/Ipespe

Sem votos suficientes na Assembleia Legislativa para ganhar a eleição indireta, o grupo ligado ao governo federal apelou para o tumulto jurídico, conseguindo protelar a votação através de sucessivas ações judiciais. Enfim, duas semanas depois do que seria o prazo esperado, a eleição aconteceu numa derrota acachapante para o grupo presidencial: Paulo Dantas obteve 21 votos, três outras chapas inscritas tiveram um voto cada, e foram registradas uma abstenção e duas ausências – totalizando 27 votos, o número de cadeiras da Assembleia alagoana.

Paulo Dantas tem 43 anos, é Administrador de Empresas, já foi prefeito da cidade de Batalha (Agreste alagoano) por duas gestões, é deputado estadual em primeiro mandato. A chapa é composta pelo médico cardiologista José Wanderley Neto, de 72 anos, e integrante da ala histórica do MDB (do antigo Grupo Autêntico) e foi vice-governador de Alagoas na primeira gestão de Téo Vilela.

Para o Senador Renan Calheiros, a atuação ostensiva do grupo bolsonarista em ações visando tumultuar o processo eleitoral demonstra a “falta de capacidade dessa corrente política em aceitar a derrota nas urnas e o que fizeram em Alagoas para atrapalhar uma votação indireta vale como demonstração do que estão dispostos a complicar o processo democrático para evitar a derrota de seu líder máximo, Jair Bolsonaro, pelo voto direto, em outubro”.

Paulo Dantas, juntamente com o senador Renan Calheiros e o ex-governador Renan Filho, se reuniu com Luiz Inácio Lula da Silva há dez dias de sua eleição, em 5 de abril, e reafirmou apoio ao petista na campanha presidencial deste ano.

Para o ex-governador Renan Filho, “a eleição de Paulo Dantas é a garantia de que Alagoas seguirá se desenvolvendo com a busca por justiça social” e a chapa eleita representa a “união entre a juventude de Paulo e a experiência do dr. Wanderley, numa grande vitória para o nosso Estado”.

Enio Lins é jornalista, de Alagoas

https://vermelho.org.br/2022/05/16/grupo-ligado-a-lula-derrota-bolsonaristas-em-alagoas/