Em entrevista ao jornal Hora do Povo, Oswaldo Augusto de Barros defende Frente Ampla nas eleições.

por Carlos Pereira

Do leito do hospital, onde se restabelece, o Prof. Oswaldo Augusto de Barros, presidente da Nova Central Sindical dos Trabalhadores, da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Educação e Cultura (CNTEEC) e coordenador do Fórum Sindical dos Trabalhadores (FST), em entrevista para o Hora do Povo, considerou que a situação do país “é drástica”. Para o presidente da Nova Central, “a fome é uma necessidade. Se eu não tenho como resolver essa necessidade, é o caminho para o caos”.

Oswaldo avalia que a economia está falida. Com inflação, com recessão e mais recessão. Para ele, “esse desequilíbrio torna o mundo insano. A política econômica do governo está na mão de quem não sabe o que é produzir, de gente que nunca colocou o pé numa fábrica, que só conhece o mercado improdutivo”.

O líder sindical considera que a solução é o crescimento econômico. “O Estado tem que promover a indústria, a agricultura e o comércio, criar emprego, desenvolver a produtividade não só para as commodities, mas principalmente para alimentar as pessoas, e criar empregos”.

“Eu sinto o pessoal acomodado. Sem fôlego. Essa monotonia é preocupante. O movimento sindical faz uma coisinha ou outra, mas precisa ser mais aguerrido. É raro o sindicato que recupera a inflação”. “Não podemos ficar esperando as eleições. É preciso uma ação maior do movimento sindical”, afirmou.

Encerramos a sintética e contundente entrevista com a seguinte declaração de Oswaldo: “Se não tiver uma Frente Ampla nas eleições, já no 1º turno, Bolsonaro será reconduzido e, aí, como já falei, será o caos”.

Fonte: Portal Hora do Povo