Para a infectologista Ceuci Nunes, o Ministério da Saúde abdicou de sua prerrogativa de orientar a população sobre os riscos da pandemia.

por Cezar Xavier

A Dra Ceuci Nunes, infectologista e diretora do Hospital Couto Maia, em Salvador, reagiu a notícia de que o Brasil está com mais de 600 mil mortes por covid-19, se solidarizando com as famílias que perderam seus entes queridos. “Muitas delas, perderam mais de uma pessoa”, lamentou a médica que testemunhou o avanço da pandemia de perto.

Para além do lamento e solidariedade, no entanto, Ceuci considera importante parar para pensar o que está acontecendo no país, em que, neste ano, tivemos mais mortes por covid do que qualquer outro país no mundo. “Isso poderia ter sido evitado, se tivéssemos vacinas”, avaliou ela, mencionando a negligência do Governo Federal e do Ministério da Saúde em garantir a negociação de vacinas, desde o primeiro momento.

Leia também:

600 mil: mortes teriam sido evitadas se governo tivesse se empenhado

600 mil: “Será um escândalo se Bolsonaro não for responsabilizado”

600 mil: Bolsonaro colocou em aposta as nossas vidas

600 mil: Fortalecer o SUS e a ciência reduziria número de mortes

600 mil: O prejuízo da covid para a educação ainda é imensurável

600 mil: Estamos diante de uma política genocida

“O Ministério da Saúde abdicou da sua função de orientar a população, orientar as medidas de restrição e uso de máscaras. O Ministério da Saúde demorou muito para comprar vacinas”, criticou.

Após tantos erros de gestão, a infectologista resigna-se diante da necessidade de torcer pelo avanço consolidado da campanha de imunização e da manutenção dos protocolos sanitários básicos. “Precisamos seguir adiante e o que nos resta é vacinar. Não podemos cair no conto de deixar de usar máscara, pois ainda não é tempo”, alertou. Ela argumento que os numeros de covid estão caindo, mas o vírus ainda circula.

“Vamos nos solidarizar, mais uma vez, com estas famílias enlutadas”, concluiu.

Fonte: VERMELHO

https://vermelho.org.br/2021/10/12/600-mil-mortos-nao-podemos-cair-no-conto-de-deixar-de-usar-mascara/