Dólar valorizado e boom das commodities mantêm indicadores de preços ao produtor na casa de dois dígitos. Custo adicional será repassado ao consumidor, dizem especialistas

RH
Rosana Hessel


No mercado brasileiro, a inflação não dá sinais de trégua e poderá ser um entrave para a retomada da economia, de acordo com os especialistas. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumula alta de 6,76% nos 12 meses encerrados em abril, acima do teto da meta de inflação deste ano, de 5,25%. Mas analistas lembram que os indicadores de preços ao produtor continuam rodando na casa de dois dígitos devido ao boom do preço das commodities e do dólar valorizado. Esse custo adicional deverá ser repassado, em algum momento, se a economia continuar dando sinais de recuperação, apesar de lenta, para o consumidor.

O economista André Braz, coordenador do Índice de Preços do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), reconhece que, além da questão interna, a inflação no Brasil ganha ainda um impulso com o mundo crescendo mais rápido, o que será um desafio adicional para o Banco Central, porque, se ele subir muito, a taxa básica de juros (Selic) poderá atrapalhar o processo de retomada da economia.

“A economia global mais aquecida ajudará a sustentar a inflação daqui. O BC precisa pensar em uma alta mais lenta da Selic e, quem sabe, porque os juros mais altos serão uma pedra no caminho da recuperação”, alerta. Para ele, o governo poderá ter que elevar alguns impostos de importação para tentar contribuir com o ajuste da política monetária.

A economista Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências Consultoria, torce para que esse impulso inflacionário global seja temporário. Contudo, admite que, no Brasil, os riscos são maiores. “Os bancos centrais devem esperar um pouco mais para agirem, mas, no Brasil, a situação é um pouco diferente, porque existe o câmbio mais valorizado devido aos riscos fiscais elevados, que ajudam a manter a inflação mais forte”, afirma.

  • -
    --

Insustentável

O aumento das pressões inflacionárias no Brasil devido ao aquecimento global também é uma preocupação do economista-chefe do Banco Votorantim, Roberto Padovani, que evitou corrigir para cima sua previsão de 3,5% para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano e aposta em uma Selic de 6,5% no fim do ano, acima da taxa de 5,5% sinalizada pelo Banco Central na ata do Comitê de Política Monetária (Copom). “O BC vai ser novamente surpreendido com a inflação mais resistente, porque uma Selic de 5,5% não será suficiente para a inflação convergir para a meta em 2022, de 3,5%. Estamos vivendo uma época muito incerta”, afirma.

Assim como Padovani, o economista Otaviano Canuto, ex-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, avalia que, apesar da melhora das previsões do mercado, indicando crescimento em torno de 4% neste ano, essa taxa não é sustentável porque a evolução do PIB brasileiro “continuará amarrada a longo prazo”. “O país precisa encontrar um aumento sistemático na produtividade”, complementa. Estimativas do Itaú Unibanco e da MB Associados, por exemplo, preveem o PIB crescendo a 1,8% em 2022, abaixo do PIB potencial, de 2%.

Efeito nos países emergentes

Um fator positivo para os mercados emergentes, segundo Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Management, é que, ao contrário dos Estados Unidos, os países da Europa não devem ter muito espaço para elevar os juros, porque correm riscos de estagnação, o que vai ajudar os mercados emergentes, porque os pacotes de injeção de liquidez não devem ser interrompidos durante esse processo inflacionário. “A Europa não consegue engatar um crescimento. Já os EUA podem subir os juros no ano que vem, mas eles não serão loucos de antecipar essa alta para 2021”, afirma.

O ex-diretor do Banco Central e estrategista-chefe da gestora WHG, Tony Volpon, também destaca que a prioridade do presidente dos EUA, o democrata Joe Biden, será garantir um crescimento robusto da economia norte-americana até 2022, a fim de garantir o controle das duas Casas do Congresso nas eleições parlamentares do ano que vem. “Esse é o pano de fundo desse cenário em que temos um governo mais expansionista e um Fed mais dovish (expansionista e mais leniente com inflação)”, ressalta.

Ele lembra que Biden também precisará lidar com o sentimento do consumidor em relação à inflação, porque ele está percebendo a alta dos preços e está insatisfeito com a carestia. “O Fed mudou a sistemática da meta de inflação e de emprego, passando a olhar para a composição de um um mercado de trabalho mais inclusivo, com metas sociais e raciais. É um novo Fed que temos hoje e que, pela primeira vez, estará sendo testado”, afirma. 

Fonte: CORREIO BRAZILIENSE