Imprimir PDF

Investimento na educação vira prioridade da classe C


Governo Dilma Rousseff planeja a 'segunda geração de políticas sociais'


Grupo representa mais da metade da população e responde por cerca de 47% do consumo do país


SHEILA D'AMORIM

DE BRASÍLIA


Com uma população se aproximando de 100 milhões de pessoas, a classe C, também chamada de nova classe média, é o alvo do governo federal para o que já se chama de "segunda geração de política sociais".
 De olho na importância desse contingente na economia -o que pode se reverter em votos nas eleições-, o governo quer fortalecê-lo.

A classe C representa mais da metade da população brasileira, responde por cerca de 47% do consumo do país, metade dos cartões de crédito emitidos, 60% dos acessos à internet, 42% das despesas com educação e quer mais. As informações, reunidas pela SAE (Secretaria de Assuntos Estratégicos), vão compor um banco de dados para conhecer mais essa parcela da população.

"Esse ganho [o crescimento da nova classe média] não podemos perder. Temos que agir preventivamente para acompanhar os reflexos econômicos mundiais na vida das pessoas e consolidar essa nova classe média", afirmou o ministro Moreira Franco, da SAE. Diante do impacto negativo da crise financeira internacional de 2008 no país, o estímulo ao consumo dessas famílias foi usado pelo governo federal para ajudar o Brasil a reverter uma queda mais forte da economia e fez com que o país se recuperasse mais rapidamente. 

A criação de um banco de dados, segundo ele, é um primeiro passo para tentar identificar "o que essa população quer, quais são seus valores e os sonhos".

Amanhã, a classe C será tema de um seminário sobre políticas públicas para a nova classe média, de onde o ministro espera que surjam ideias para novas ações.
 

FERRAMENTA

Um ponto que chamou a atenção do governo é a importância dada à educação. "A maioria dos jovens brasileiros está nessa classe média e sabe que a educação é a ferramenta para melhorar a condição de vida", afirmou Franco.

É justamente isso que defende Elaine Cristino Brasero Souza, 34. Depois de ficar um ano desempregada com o marido, em 2005 os dois abriram um pequeno comércio em São Miguel Paulista, zona leste de São Paulo. Inicialmente, a renda familiar de cerca de R$ 4.000 por mês foi usada para trocar o carro, comprar televisores modernos, viajar e adquirir um terreno.

Agora que a vida está mais "estabilizada", a prioridade é construir a casa própria e garantir o pagamento de uma escola particular para o filho de oito anos e das gêmeas, de cinco. "Meus filhos vão ter mais estudo. Vão cursar uma faculdade e ter mais oportunidades do que eu e o pai deles tivemos", afirma.

Para ela, "a vida hoje já está difícil para quem fez faculdade. Imagine se eles, no futuro, não tiverem diploma".


Fonte: Folha de S.Paulo, 7 de agosto de 2011

 
Rua Doutor Faivre, 888 - Centro - Cep. 80060-140 | Curitiba - Paraná | Brasil
Fone: (41) 3264-4211 - Fax: (41) 3264-4292 | Email: fetraconspar@fetraconspar.org.br