Programas governamentais para financiamento habitacional têm o potencial de elevar o emprego no setor da construção em cerca de 15%, de acordo com uma pesquisa da revista de economia da FGV.

O estudo comparou cidades que não receberam recursos do antigo Programa de Arrendamento Habitacional, que começou a vigorar em 2001, com municípios semelhantes que foram atendidos.

“O efeito isolado desse tipo de política pública é de um aumento entre 13,4% e 16,8% no emprego na construção civil durante os três primeiros anos, o que consideramos significativo”, afirma o pesquisador Fábio Nishimura.

Financiar moradia também faz subir os salários dos profissionais do setor a uma proporção de 5,2% a 8,2%.

O efeito na remuneração, no entanto, demora mais para ocorrer que na empregabilidade no segmento.

Folha de S.Paulo