Em 2019, as consequências das más decisões e das piores políticas dos últimos dois anos serão vistas ainda mais nitidamente.

Por Joseph Stiglitz

 
No final de 2017, a administração do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e os republicanos no Congresso impuseram um corte de um bilião de dólares nos impostos das empresas, parcialmente compensado por aumentos de impostos para a maioria dos americanos no meio da distribuição de rendimentos. Mas, em 2018, o júbilo da comunidade empresarial dos EUA com este bodo começou a dar lugar à ansiedade em relação a Trump e às suas políticas.

Um ano atrás, a ganância desenfreada dos líderes empresariais e financeiros dos EUA permitiu-lhes superar a sua aversão a grandes défices. Mas agora eles estão a ver que o pacote de impostos de 2017 foi a fatura fiscal mais regressiva e extemporânea da história. Na mais desigual de todas as economias avançadas, milhões de famílias americanas em dificuldades - e as gerações futuras - estão a pagar cortes de impostos para bilionários. Os Estados Unidos têm a esperança de vida mais baixa entre todas as economias avançadas e, no entanto, a fatura fiscal foi elaborada para que mais 13 milhões de pessoas no país não tenham seguro de saúde.

Como resultado da legislação, o Departamento do Tesouro dos EUA prevê agora um défice de um bilião de dólares para 2018 - o maior défice num ano de paz e não recessivo em qualquer país desde sempre. E, como se isso não bastasse, o prometido aumento do investimento não se concretizou. Depois de dar alguns brindes aos trabalhadores, as empresas canalizaram a maior parte do dinheiro para recompras de ações e dividendos. Mas isso não é particularmente surpreendente, pois o investimento beneficia da segurança e Trump vive no caos.

Além disso, como a legislação fiscal foi aprovada à pressa, ela está cheia de erros, inconsistências e lacunas para interesses particulares que foram inseridas quando ninguém estava a ver. A falta de amplo apoio popular da legislação praticamente garante que grande parte será revertida quando os ventos políticos mudarem, e isso não foi passou despercebido aos donos de empresas.

Como muitos de nós observámos na época, a legislação fiscal, juntamente com um aumento temporário dos gastos militares, não foi projetada para dar um impulso sustentado à economia, mas sim para fornecer o equivalente a uma excitação de curta duração. A depreciação acelerada do capital permite maiores lucros depois dos impostos agora, mas reduz os lucros depois dos impostos mais tarde. E, como a legislação realmente reduz a dedutibilidade dos pagamentos de juros, acabará por aumentar o custo do capital após os impostos, desencorajando assim o investimento, grande parte do qual é financiado por dívida.

Entretanto, o enorme défice dos EUA terá de ser financiado de alguma forma. Dada a baixa taxa de poupança do país, a maior parte do dinheiro virá inevitavelmente de credores estrangeiros, o que significa que os EUA enviarão grandes pagamentos para o exterior para servir a sua dívida. Daqui a uma década, a receita total dos EUA provavelmente será menor do que seria sem esta legislação fiscal.

Além da legislação tributária desastrosa, as políticas comerciais da administração Trump também estão a perturbar os mercados e a interromper as cadeias de fornecimento. Muitas empresas de exportação dos EUA que dependem de insumos chineses têm agora uma boa razão para transferir as suas operações para fora dos EUA. É muito cedo para calcular os custos da guerra comercial de Trump, mas é seguro assumir que todos ficarão mais pobres em resultado dela.

Da mesma forma, as políticas anti-imigração de Trump estão a incentivar empresas que dependem de engenheiros e outros trabalhadores altamente qualificados a mudar os seus laboratórios de investigação e unidades de produção para o exterior. É apenas uma questão de tempo antes de começarmos a ver falta de trabalhadores em outros lugares nos EUA.

Trump chegou ao poder explorando as promessas falhadas da globalização, financeirização e economia de gotejamento. Após uma crise financeira global e uma década de crescimento morno, as elites foram desacreditadas, e Trump emergiu para atribuir a culpa. Mas, é claro, nem a imigração nem as importações estrangeiras causaram a maior parte dos problemas económicos que ele explorou para obter ganhos políticos. A perda de empregos industriais, por exemplo, é em grande parte devida à mudança tecnológica. De certa forma, fomos vítimas do nosso próprio sucesso.

Ainda assim, os decisores políticos poderiam certamente ter gerido melhor essas mudanças para garantir que o crescimento do rendimento nacional beneficiasse muitos, em vez de poucos. Os líderes empresariais e financeiros ficaram cegos com a sua própria ganância, e o Partido Republicano, em particular, tem tido o prazer de lhes dar tudo o que quiserem. Como resultado, os salários reais (ajustados pela inflação) estagnaram e os deslocados pela automatização e globalização foram abandonados.

Como se as decisões económicas de Trump não fossem suficientemente más, a sua política é ainda pior. E, infelizmente, a marca de racismo, misoginia e incitamento nacionalista de Trump estabeleceu franchises no Brasil, Hungria, Itália, Turquia e outros lugares. Todos esses países terão problemas económicos similares - ou piores -, assim como todos estão a enfrentar as consequências reais da incivilidade em que os seus líderes populistas prosperam. Nos EUA, a retórica e as ações de Trump desencadearam forças obscuras e violentas que já começaram a sair de controlo.

A sociedade só pode funcionar quando os cidadãos confiam no seu governo, nas instituições e uns nos outros. E, no entanto, a fórmula política de Trump é baseada na erosão da confiança e na maximização da discórdia. Não podemos deixar de questionar onde isso vai acabar. Será o assassínio de 11 judeus numa sinagoga de Pittsburgh o prenúncio de uma Noite de Cristal americana?

Não há como saber a resposta para tais questões. Muito dependerá de como o atual momento político se vai desenrolar. Se os partidários dos líderes populistas de hoje se desiludirem com o inevitável fracasso das suas políticas económicas, poderão desviar-se ainda mais na direção da direita neofascista. Numa hipótese mais otimista, eles poderão ser trazidos de volta para o rebanho democrático liberal ou, pelo menos, desmobilizarem-se devido à deceção.

Há uma coisa que sabemos: os resultados económicos e políticos estão interligados e reforçam-se mutuamente. Em 2019, as consequências das más decisões e das piores políticas dos últimos dois anos serão vistas ainda mais nitidamente.

___________

Joseph E. Stiglitz é o vencedor do Prêmio Nobel da Economia de 2001. O seu livro mais recente é Globalization and Its Discontents
Revisited: Anti-Globalization in the Era of Trump.
© Project Syndicate, 2018.


Fonte: Diário de Notícias