Os políticos estimulam o ódio contra seus adversários, alguém ganha a eleição, mas os efeitos dessa incompreensão ideológica permanece após eles sairem de cena na corrosão da democracia.

Apoiadores de Trump lutam contra manifestantes do Vidas Pretas Importam na Califórnia, em agosto de 2020.

À medida que a eleição presidencial de 2020 se aproxima, uma coisa é clara: os Estados Unidos são uma nação irada. De protestos por injustiça racial persistente a contraprotestos ligados a nacionalistas brancos, a raiva está em exibição em todo o país.

A ira nacional está relacionada à desigualdade, a resposta do governo ao coronavírus, às preocupações econômicas, à raça e ao policiamento. Também se deve, em grande parte, a escolhas deliberadas e estratégicas feitas por políticos americanos para alimentar a ira dos eleitores para sua própria vantagem eleitoral.

As tentativas de Donald Trump de enfurecer sua base são tão abundantes que a revista progressista The Nation o chamou de “mercador da raiva”. Enquanto isso, seu oponente, Joe Biden, provoca raiva em relação ao presidente, chamando Trump de uma “presença tóxica” que “encobriu a América nas trevas”.

A retórica política cheia de raiva não é novidade. De Andrew Johnson e Richard Nixon a Newt Gingrich, os políticos há muito sabem que eleitores furiosos são eleitores leais. As pessoas apoiarão os candidatos de seu partido local e nacionalmente, desde que permaneçam suficientemente indignadas com o partido oposto.

Embora incitar a raiva dos eleitores ajude os candidatos a ganharem eleições, a pesquisa do meu livro “American Rage: Anger Shapes Our Politics” [Raiva Americana: como a ira molda a nossa política] mostra que os efeitos da raiva duram mais que as eleições. E isso pode ter consequências graves para a saúde a longo prazo da democracia americana.

Confiança no governo
A raiva política diminui a confiança dos cidadãos no governo nacional, fazendo com que as pessoas o vejam com hostilidade, ceticismo e total desprezo. Devido ao foco cada vez mais nacional da política, essa raiva costuma ser direcionada diretamente ao governo federal, e não às autoridades estaduais ou locais.

Isso cria um problema de governança. Como estudiosos anteriores demonstraram, a confiança facilita a formulação de leis bipartidárias e o apoio a programas de bem-estar social que buscam tornar a sociedade mais justa, entre outras políticas.

A confiança dos americanos no governo vem diminuindo há seis décadas.

Os estudiosos argumentaram que a filiação partidária determina a confiança no governo. Quando o partido preferido de alguém controla o governo, essa confiança é alta; quando a parte oposta tem poder, é baixa.

Embora o partidarismo afete a confiança das pessoas em várias instituições políticas, não pode explicar por que a fé geral no governo dos Estados Unidos vem caindo há décadas. Afinal, o controle do partido em Washington muda com frequência.

Minha pesquisa descobriu que a raiva constante é o suspeito mais provável para a diminuição da confiança dos americanos no governo.

Embora a raiva política americana tenha muitas fontes, foi a afirmação de Ronald Reagan de 1981 de que “o governo não é a solução para o nosso problema, o governo é o problema” que realmente começou a solidificar a raiva dos republicanos contra o governo federal.

Esta declaração, enraizada na preferência conservadora pelo individualismo e pelo livre mercado sobre a intervenção do governo, cristalizou a raiva republicana latente com o que muitos consideravam um governo federal ativista. Essa raiva está em plena floração hoje.

A raiva do governo não é simplesmente um fenômeno conservador. Os liberais também estão loucos – geralmente porque acreditam que o governo não está fazendo o suficiente para lidar com as desigualdades raciais e sociais. Essa raiva também está em plena floração hoje.

Pessoas zangadas tendem a julgar negativamente a fonte de sua raiva. Portanto, quando os políticos continuamente rotulam uns aos outros com epítetos grosseiros e enfurecem as pessoas ao tomar – ou não – certas ações, o público responde diminuindo suas avaliações de Washington.

Eventualmente, eles questionam do que o governo é capaz.

Saúde da democracia americana
A raiva faz os americanos adotarem atitudes contrárias aos ideais democráticos da nação, mostra minha pesquisa.

Isso faz com que os americanos vejam os apoiadores do partido político adversário como menos inteligentes do que eles. Indiscutivelmente mais prejudicial para a democracia, a raiva também faz as pessoas verem os partidários do partido político adversário como uma ameaça ao bem-estar do país.

Essas descobertas ajudam a explicar por que tanto democratas quanto republicanos tendem a ter uma visão obscura uns dos outros. Dados de pesquisas recentes revelam que quase dois terços dos republicanos veem os democratas como “de mente fechada”, enquanto aproximadamente metade dos democratas veem os republicanos como “imorais”. Em 2016, apenas metade dos republicanos e um terço dos democratas tinham essas opiniões. A antipatia partidária está aumentando.

Pessoas zangadas geralmente querem culpar alguém – ou algum grupo – por seus problemas, sejam eles a causa real ou aparente. As campanhas políticas, logicamente, trabalham para provocar raiva no partido oposto. Isso significa que seus apoiadores são rápidos em culpar aqueles que discordam deles pelas deficiências do país.

Consequentemente, a raiva do eleitor faz com que a política vá além de uma competição de ideias e filosofias e entre em um jogo de soma zero em que o ganho de cada lado é a perda do outro. Isso enfraquece o compromisso das pessoas com as normas e valores democráticos que há muito têm sido a base do sistema político dos EUA, como a tolerância e o respeito pelas opiniões das minorias.

Em 2018, o Pew Research Center descobriu que 40% dos americanos acreditavam que a democracia estava funcionando “não muito bem” ou “nada bem”. Este ano, 62% dos americanos pesquisados ​​pela Pew concordaram que a estrutura do governo dos EUA precisa de “mudanças significativas”.

A democracia pode não desaparecer porque os candidatos continuam atiçando a ira dos americanos uns contra os outros e contra o sistema político. Meu trabalho mostra que americanos descontentes não querem uma forma de governo totalmente diferente, apesar das preocupações globais de que os EUA estão “retrocedendo” em direção ao autoritarismo.

Mas a raiva é corrosiva. Isso diminui a qualidade da democracia americana muito depois que os políticos que usaram a raiva como estratégia de campanha venceram e deixaram o cargo.

Steven Webster é professor assistente de Ciência Política na Universidade de Indiana.

Traduzido por Cezar Xavier