Por Matheus Schuch e Edna Simão, Valor — Brasília

O ministro do Desenvolvimento Regional (MDR), Rogério Marinho, trabalha nos últimos ajustes do programa habitacional que substituirá o Minha Casa Minha Vida.

Para afastar o governo de Jair Bolsonaro da bandeira que foi uma das principais marcas da gestão petista, a pasta pretende lançar até o fim deste mês o “Casa Verde Amarela”, focado na regularização de imóveis de famílias de baixa renda e de estímulo a financiamentos a juros baixos.

Em entrevista exclusiva ao Valor Econômico, Marinho afirmou que há aproximadamente 12 milhões de residências irregulares que poderão ser beneficiadas pelo programa. O governo pagará pela regularização e por pequenas reformas nos imóveis.

A medida seria uma alternativa a famílias de baixa renda diante da falta de orçamento para subsidiar novos empreendimentos, a exemplo do que ocorria na faixa 1 do atual programa. Em outra via, o ministro tenta reduzir juros e alongar o pagamento de subsídios da União à Caixa Econômica Federal para viabilizar os financiamentos ao público de baixa renda.


Só na área habitacional, nós herdamos 100 mil unidades paralisadas. Nós pretendemos reiniciar todas”

Marinho tem se envolvido diretamente na tarefa de aumentar a presença de Bolsonaro no Nordeste, e um novo roteiro de viagem está previsto para esta semana. Ele afirmou que a “segurança hídrica” será uma das marcas do atual governo, o que se dará em grande parte pelo novo marco do saneamento e por um projeto de revitalização de bacias hidrográficas, que terá início no bojo da transposição do rio São Francisco.

Leia a entrevista completa no site do Valor Econômico.