Imprimir PDF

Centrais obtêm vitória no Senado no tema trabalhista, afirma Diap

A Câmara dos Deputados aprovou, sem debates, a reforma trabalhista. Os parlamentares chancelaram o relatório de Rogério Marinho (PSDB-RN), que piora, ainda mais, o projeto do governo. Quando a matéria subiu para o Senado, o governo Temer tentou impor a mesma dinâmica, ou seja, urgência e nada de debate.

Falhou - Ontem (3), as Centrais e Confederações conseguiram junto ao Senado que a matéria irá passar por três comissões temáticas (Assuntos Econômicos, Assuntos Sociais e Constituição e Justiça). Nas duas primeiras, o prazo regimental é de 15 dias, na CCJ, de 20 dias. A tramitação, portanto, poderá levar de 60 até 90 dias.


Neuriberg Dias, do Diap

Para Neuriberg Dias, assessor parlamentar do Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar), o ganho é duplo. “Não só ganhamos prazo. Conseguimos também a garantia de que haverá debates nas comissões, nas audiências públicas e nos grupos de trabalho”, comenta.

Para o assessor parlamentar, o governo não tem o mesmo poder de pressão sobre o conjunto de senadores. Ele também aponta a força da greve geral. “Não há dúvidas de que a greve tem influência na postura do Senado”, diz.

Segundo Neuriberg, boa parte do Senado está de olho no calendário eleitoral. “O PMDB possui 19 dos 22 senadores cujo mandato termina em 2019. Evidente que eles estão atentos à pressão eleitoral. Em vários Estados do Nordeste, de onde vêm muitos desses senadores, a greve geral foi muito forte, e isso tende a reorientar a posição dos senadores nas matérias de apelo popular”, observa.



Fonte: Agência Sindical, 05 de maio de 2017




FETRACONSPAR - Federação dos Trabalhadores nas Industrias da Construção e do Mobiliário do Estado do Paraná
Rua Francisco Torres, 427 - Centro - Cep. 80060-130 | Curitiba - Paraná | Brasil

Fone: (41) 3264-4211 | Fax: (41) 3264-4292 | Email: fetraconspar@fetraconspar.org.br