Imprimir PDF

Viva a geração Y!

“Entre 2001 e 2011, mais do que dobrou o percentual de servidores civis ativos do Executivo com idades entre 21 e 30 anos”
 

Nós do Gran Cursos já notamos há muito tempo em nosso trabalho diário de preparação de candidatos para concursos públicos que os jovens de até trinta anos de idade estão mesmo dispostos a integrar o serviço público. A presença maciça da geração Y em nossos bancos reflete números impressionantes, colhidos, sobretudo, na última década. Determinados, na corrida para o serviço público, esses jovens se submetem a concursos de provas e de provas e títulos para preencher vagas em todas as esferas da administração pública, seja a federal, para trabalhar no Executivo, no Legislativo ou no Judiciário; seja a estadual; seja, ainda, a municipal.


Basta entrar em qualquer uma das nossas onze unidades em Brasília ou das muitas instaladas em São Paulo, Vitória, Goiânia, Palmas e Manaus, para constatar que os jovens de até trinta anos de idade estão mesmo dispostos a integrar o serviço público. A presença maciça da geração Y em nossos bancos reflete números impressionantes, colhidos sobretudo na última década.


Entre 2001 e 2011, mais do que dobrou o percentual de servidores civis ativos do Executivo com idades entre 21 e 30 anos: de 5,2%, em 2001, esse número passou para 12,5%, em 2011. São mais de 40 mil pessoas! Pode-se dizer que se trata de ascensão lenta e gradual, porém irreversível. É o que se deduz da seguinte estatística, tomada ano a ano, a despeito da pequena queda identificada entre 2010 e 2011:


2001 —————————————-5,2%

2002—————————————–5,4%

2003——————————————6,1%

2004——————————————7,3%

2005——————————————8%

2006——————————————9,3%

2007——————————————9,5%

2008——————————————10,4%

2009——————————————11,5%

2010——————————————12,7%

2011——————————————12,5%


Já escrevi algumas vezes sobre os fatores que atraem cada vez mais jovens de 18 a 30 anos de idade para o serviço público. Essa parcela da população já alcança expressivos 40% do total de contratados pela via do concurso público, de acordo com dados do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Apesar disso, é preciso registrar também o notável número de pessoas com mais idade que concorrem às mesmas vagas. O grupo dos que contam com entre 30 e 50 primaveras representa 20% dos candidatos, ao passo que o da terceira idade, composto de profissionais com mais de 50 anos de idade, alcança percentual idêntico ao dos concurseiros que não passaram dos 30. Acredito, no entanto, que a geração Y já será o maior de todas em, no máximo três anos, diante do interesse cada vez maior que demonstra pela carreira pública.


No que interessa ao Estado, há um dado da maior relevância e que tem forte relação com a ascensão da geração Y no serviço público. É que, segundo estudos recentes da área de recursos humanos, 90% desses jovens servidores pretendem realmente seguir a carreira pública, fazendo dela um fim para sua vida profissional, enquanto apenas 10% a consideram um meio para realizar projetos na iniciativa privada. Isso significa que investir em novos servidores que estão chegando por meio dos concursos é um bom negócio para a administração, que poderá contar com esses trabalhadores durante toda a vida útil profissional deles.


Um outro fenômeno que testemunhamos do início da década passada para cá foi a reversão da predominância do sexo masculino nos concursos públicos. Hoje as estatísticas demonstram que as mulheres já são sólida maioria de 55% contra 45%, invertendo a relação existente até a década passada. E elas constituem, sem dúvida, fator determinante para o crescimento observado na turma com menos de 30 anos entre os concurseiros. Basta observar o crescente número de jovens alunas nas turmas de qualquer curso preparatório do Gran Cursos.


As vantagens do cargo público são hoje mais conhecidas do que nunca, graças à ampla divulgação por todos os meios de comunicação, sobretudo a internet. A ampla circulação das informações contidas nos editais de concursos ampliou o interesse por eles em todas as faixas da população. Em decorrência disso, observamos fenômenos como o da concorrência do próximo concurso do Senado, cuja estimativa de quase 650 candidatos por vaga se confirmou em alguns dos cargos oferecidos e foi até superada em outros. Estudar para concurso público se tornou quase uma mania nacional, tanto que se calcula em 12 milhões o contingente de pessoas que se preparam para concorrer em todo o país a alguma dessas seleções.


Mencionei o concurso do Senado, que tomo como exemplo para tratar das razões dessa ²febre dos concursos², iniciada com o advento da Constituição de 1988, que assegura o provimento dos cargos públicos basicamente por meio de concursos de provas ou de provas e títulos. A proximidade das provas que selecionarão os felizes novos servidores daquela Casa Legislativa está deixando enlouquecido um enorme contingente de candidatos que vêm estudando há pouco ou muito tempo, todos imbuídos do mesmo espírito de competição de um maratonista que vê a linha de chegada mais próxima a cada passada.


Não é para menos. Imagine a motivação de um rapaz ou de uma moça que, aos 18 anos de idade, já pode conquistar um emprego que vai lhe garantir um salário de R$ 13 mil, no caso dos cargos de técnico legislativo; de R$ 18 mil, no caso dos cargos de analista legislativo; ou, ainda, de R$ 24 mil, caso dos cargos de consultor legislativo. Para muitos desses jovens, esse pode ser até o primeiro – e último – emprego, visto que, para os cargos de técnico, é preciso ter concluído apenas o ensino médio. Todo empenho é pouco para quem está nessa situação e ainda tem toda a vida profissional pela frente.


Sejamos realistas: oportunidades como essa não existem na iniciativa privada. Em qualquer profissão, um jovem em início de carreira, seja, por exemplo, um engenheiro, um médico, um arquiteto ou um jornalista, ingressará no mercado de trabalho ganhando, no máximo, 1/5 dos valores pagos pelo Senado, e sem as vantagens e benefícios que qualquer cargo público regido pela Lei 8.112/1990 oferece ao seu ocupante. E é igualmente difícil, para um celetista que já tenha passado dos 50 anos de idade, alcançar esse nível de remuneração, salvo após muitos anos de dedicação a uma grande empresa que ofereça um bom plano de carreira, com ascensão profissional garantida.


Além dos altos salários oferecidos, há outros atrativos para a carreira pública. Um deles é a estabilidade, assegurada pela Constituição depois de cumpridos os três anos de estágio probatório a que os servidores estão obrigados. Todo concurseiro sabe que, uma vez estável, só pode ser demitido se cometer falta grave, e, assim mesmo, depois de passar por processo administrativo disciplinar com amplo direito de defesa e do contraditório. Sabe também que, quando se aposentar, levará para a inatividade os mesmos valores que percebia quando ativo, outro grande diferencial em relação à iniciativa privada.


Não bastasse, há ainda mais vantagens que compõem um pacote de que os servidores desfrutam após a posse, tudo previsto na Lei 8.112. Não há nada similar no regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que rege os empregos privados e os das empresas públicas e sociedades de economia mista.


Eis aí algumas razões que explicam o crescente interesse dos jovens pelos concursos públicos e pelos empregos com que poderão contar por toda a vida. A tendência é que esses candidatos sejam cada vez mais numerosos, mais bem preparados, mais conscientes de suas responsabilidades e mais eficientes no desempenho de suas tarefas, qualquer que seja a área em que venham a trabalhar.


Por isso mesmo, acredito que a geração Y representa a possibilidade de um importante avanço na melhoria dos serviços prestados à população brasileira pelo Estado. Espero que muitos dos meus alunos com esse perfil façam parte da administração dentro em breve, sendo aprovados em concursos que vão ocorrer ainda em 2012. Nesse contexto, tenho o maior prazer e orgulho em desejar a todos um


FELIZ CARGO NOVO!

Fonte: Congresso em Foco, 4 de março de 2012 


 

FETRACONSPAR - Federação dos Trabalhadores nas Industrias da Construção e do Mobiliário do Estado do Paraná
Rua Francisco Torres, 427 - Centro - Cep. 80060-130 | Curitiba - Paraná | Brasil

Fone: (41) 3264-4211 | Fax: (41) 3264-4292 | Email: fetraconspar@fetraconspar.org.br