Imprimir PDF

Bloqueio dos EUA tenta asfixiar finanças cubanas

A perseguição das transações financeiras cubanas resulta atualmente uma prova da tentativa do bloqueio estadunidense contra as finanças cubanas, afirma o relatório que será apresentado à Assembléia Geral de Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, Estados Unidos.

 

 

A liberdade não se pode bloquear, diz outdoor em Cuba contra bloqueio imperialista.

 

A liberdade não se pode bloquear, diz outdoor em Cuba contra bloqueio imperialista.

 

Por causa dessa política hostil que já dura mais de 50 anos, a nação caribenha não tem acesso a créditos de bancos nos Estados Unidos, de seus filiais em terceiros países e das instituições financeiras internacionais como o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional (FMI) ou o Banco Interamericano de Desenvolvimento.

 

No atual cenário internacional são normais e transparentes as relações entre instituições bancárias, essenciais para garantir fundos que apóiem programas nacionais encaminhados ao desenvolvimento sustentável da cada país, mas o bloqueio o impede às instituições cubanas.

 

De acordo com autoridades do setor, a esfera das finanças internacionais do país é um cenários onde pode ser apreciado com maior clareza o alcance do dano provocado pela escalada norte-americana contra a nação.

 

Como reflexo de tais pressões há uma tendência a cada vez mais crescente para o fechamento de contas de bancos cubanos por parte de entidades financeiras e bancárias estrangeiras, bem como à limitação de seus negócios com Havana.

 

A tais efeitos, as empresas estrangeiras que operavam com ditos bancos terão que tramitar suas transações pela via de bancos intermediários, com os quais não necessariamente mantêm contas.

Isso implica o traspasso ao importador cubano de despesas acrescentadas, por intermediação na execução das operações.

Tão é de modo que a eliminação e restrição da prestação de serviços por parte de bancos co-responsáveis tem conotações financeiras difíceis de quantificar, que repercutem em um maior custo para os importadores cubanos, obrigados a modificar suas usuais estruturas de cobranças e pagamentos, realça o texto.

 

Amparado nessas medidas restritivas em março deste ano vários meios de imprensa estadunidenses revelaram que os bancos franceses Societé Generale e Credit Agricole, estavam sendo pesquisados por manter normais relações com entidades cubanas.

 

Nesse mesmo mês a empresa Enkeli Customer Partner Srl., foi obrigada por BNP Paribas a fechar as contas bancárias relacionadas com seu trabalho em Cuba.

 

Posteriormente BNP-Paribas, o maior banco francês, sofreu uma ofensiva dos reguladores estadunidenses que lhe impuseram uma multa de quase nove bilhão de dólares por trabalhar com a nação caribenha, Irã e Sudão.

 

Ao anterior acrescenta-se a reiterada e permanente afetação econômica pela existência de alto risco cambial pelas flutuações das taxas de mudança, ao proibir-se utilizar o dólar estadunidense como moeda de pagamento e ter que empregar outras divisas para a cobrança e os pagamentos do país.

 

Outras afetações vão direto ao retrocesso tecnológico, demora, insegurança e aumento dos custos das operações bancárias, por não ter acesso a sistemas informáticos e serviços bancários norte-americanos e internacionais. De grande conotação resultou ao cancelamento a um banco cubano, sem prévio aviso, da licença de Astaro, produto que atua como firewall para a conexão a internet, pois a licença pertencia a uma empresa européia, que foi absorvida por uma entidade britânico-norte-americana.

 

Fonte: Vermelho, 29 de Setembro de 2014

 

FETRACONSPAR - Federação dos Trabalhadores nas Industrias da Construção e do Mobiliário do Estado do Paraná
Rua Francisco Torres, 427 - Centro - Cep. 80060-130 | Curitiba - Paraná | Brasil

Fone: (41) 3264-4211 | Fax: (41) 3264-4292 | Email: fetraconspar@fetraconspar.org.br